web analytics

De onde vieram as múmias de sereias nos museus?

Ouça este artigo...
Tempo de leitura: 4 min.

Uma misteriosa múmia foi mantida em templos japoneses por centenas de anos e tem sido objeto de adoração. A parte superior de seu corpo é como a de um homem, a parte inferior é como a de um peixe.

De onde vieram as múmias de sereias nos museus?
Múmia de suposta sereia encontrada no Japão há quase 300 anos

Segundo a lenda, uma criatura de cerca de trinta centímetros foi capturada em uma rede de pesca na costa da província de Tosa. Isso aconteceu por volta de 1740. E só recentemente o sacerdote do templo em que a múmia foi mantida concordou em entregá-la aos cientistas para um estudo detalhado.

A que conclusão chegaram os especialistas? E de onde vieram os mitos sobre as sereias no folclore de vários países?

Cientistas japoneses descobriram o segredo da sereia de Okayama. A múmia de quase 300 anos de uma criatura misteriosa acabou por ser … uma falsificação habilidosa. Para criar uma “sereia” foi usado o torso de um macaco, um rabo de peixe e unhas humanas. Para estudar a composição da múmia com mais detalhes, os cientistas examinaram seu DNA.

O doutor em Estudos Culturais, Alexei Kylasov, disse:

“Ainda assim, os japoneses acreditam no poder milagroso dessa múmia. E após a pesquisa, ela será devolvida ao templo para que eles ainda possam adorá-la.”

No Japão, as sereias são chamadas de “ninge”. Na mitologia local, trata-se de uma criatura com rosto humano, boca de macaco e rabo de peixe coberto por escamas douradas. Segundo a lenda, ninges podem conferir longevidade.

Devido à popularidade de tais lendas, os artesãos criam múmias que se parecem com criaturas mágicas. Alguns até tentam fazer com que sejam sereias de verdade.

A culturóloga Natalya Terenkova disse:

“A falsificação mais simples é tirar a parte de cima do macaco, a parte de baixo do peixe e costurar tudo com habilidade. Opções diferentes, artesãos diferentes, mas o objetivo, na verdade, é o mesmo – ganhar fama, e dinheiro.”

De onde vieram as múmias de sereias nos museus?
Esqueleto de sereia na Dinamarca

Outra exposição incomum é do Museu Nacional da Dinamarca. Os guias dizem que o esqueleto da chamada sereia Harald foi acidentalmente descoberto por um fazendeiro local enquanto arava um campo.

E de acordo com uma descrição mais detalhada apresentada ao lado no Museu Nacional Dinamarquês em Copenhague, onde a sereia de Haraldskaer foi exibida pela primeira vez em 2012, ela tinha cerca de 18 anos, cabelos longos e grossos e caninos longos e afiados, e também tinha uma bolsa que continha um dente de tubarão, um rabo de cobra, uma concha de mexilhão e uma flor (assim como qualquer sereia que se preze deveria manter dentro de sua bolsa).

Sua espécie é reivindicada como Hydronymphus pesci, considerada extinta desde o final do século XVII, e além de uma mão esquerda ausente, o esqueleto está completo, muito mais do que o único outro esqueleto conhecido de H. pesci, aparentemente mantido no Museu Hermitage, em São Petersburgo, na Rússia, que não tem cauda.

Além disso, acredita-se que esta espécie pertença à linhagem asiática de tritões, tornando assim a descoberta de espécimes na Europa especialmente rara.

Mas o zoólogo dinamarquês e pesquisador criptozoológico Lars Thomas gentilmente informou que o esqueleto da sereia Haraldskaer, completo com cauda inspirada em tubarão, foi fabricado por Mille Rude, um artista dinamarquês, para uma exposição especial realizada no Museu Nacional Dinamarquês, Copenhague, durante 2012 .

Rude se inspirou na famosa descoberta real em 1835 de Haraldskaer Woman – o corpo naturalmente preservado de uma jovem encontrada em Haraldskaer Bog e datado de aproximadamente 490 a.C. (idade do ferro pré-romana).

Como surgiram os mitos sobre as sereias

A sereia é uma das personagens míticas mais famosas e antigas. Acredita-se que a primeira lenda de uma mulher com rabo de peixe apareceu há mais de quatro mil anos na antiga Assíria.

Ali, de geração em geração, foi repassada a história da deusa da Lua, Atargatis, que se transformou em sereia, atirando-se na água devido à morte de seu amante.

Mais tarde, esses mitos se tornaram populares entre diferentes povos do mundo. Na Escandinávia, as donzelas do mar eram chamadas de ondinas. Na Grécia Antiga, sirenes.

Além disso, inicialmente as antigas sereias gregas eram representadas na forma de pássaros com cabeças femininas. Mais tarde, porém, os poetas começaram a descrevê-las como meninas com rabos de peixe, que esperavam por marinheiros em penhascos rochosos.

Lendas de sereias também eram populares na Idade Média. Os europeus acreditavam que as míticas donzelas do mar não tinham alma. Para encontrá-la, a sereia teria que sacrificar a coisa mais preciosa de sua vida – o mar. E então iria para a terra.

A culturologista Terenkova compartilhou:

“E uma das lendas, também medieval, diz que uma sereia procurou um monge e ele orou com ela para que ela tivesse uma alma. Ela veio até ele várias vezes, mas no final a força do mar acabou sendo muito forte e ela partiu.”

Mas de onde veio a imagem de uma menina com rabo de peixe no folclore de diferentes povos? Segundo os cientistas, as sereias míticas tinham protótipos reais. Estes são peixes-boi, dugongos e vacas marinhas.

Kylasov, doutor em estudos culturais, disse:

“Os peixes-boi podem ser confundidos com algum tipo de criatura fantástica, porque sua parte do corpo, que fica mais perto da cauda, ​​​​é bastante parecida com um peixe. Mas uma cabeça tão arredondada é, em geral, algo que se assemelha, é claro, a mamíferos que não vivem na água.”

(Fonte)


Esse foi um lado da história, mas por outro lado ainda há quem insista que as sereias são reais, com base em algumas anomalias encontradas nas profundezas do mar:

n3m3

E não esqueça: nossa página principal é atualizada diariamente, com novos artigos podendo ser publicados ao longo do dia. Clique aqui.

Atenção: Qualquer artigo aqui publicado serve somente para cumprir a missão deste site. Assim, o OVNI Hoje não avaliza sua veracidade totalmente ou parcialmente.

Participe dos comentários mais abaixo… e (importante) se puder, colabore na manutenção do OVNI Hoje utilizando o QR code do PIX abaixo, ou use a chave PIX “OVNIHoje” (sem as aspas):

Agradecimentos aos colaboradores do mês: Edward de Lima, Maria Dorotea Soares, Leopoldo DeLa Rocca, Fabiano de Faria, Silas Raposo, Eduardo Figueiredo, Paulo Sanchez.

Muito obrigado!


ÁREA DE COMENTÁRIOS

ATENÇÃO:

  • Os comentários são de responsabilidade única e exclusiva de cada pessoa que comenta. O OVNI Hoje não se responsabiliza por transtornos, rixas ou quaisquer outras indisposições causadas pelos comentários.
  • Comente educadamente e com ética, sempre tratando seu colega de comentários como você mesmo/a queira ser tratado/a.
  • Qualquer comentário com “pregação” política ou religiosa, obsceno ou inapropriado será prontamente apagado pelos moderadores.
  • A PRIMEIRA TENTATIVA DE BURLAR AS REGRAS INCORRERÁ EM BANIMENTO DA ÁREA DE COMENTÁRIOS!

hit counter code
Ads Blocker Image Powered by Code Help Pro

BLOQUEADOR DE ANÚNCIOS DETECTADO!!!

Caro leitor, a existência do OVNI Hoje depende dos anúncios apresentados aqui. Por favor, apoie o OVNI Hoje e desabilite seu bloqueador de anúncios para este site. Obrigado!